quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Noturno(Op. 9 Nº2)


Consciência limpa
Alma ímpia
Adormecida
Sentido o corpo
Suave em pena
Pluma
Apruma
Quase dorme
Quase criança

Somem em vagar
Pensamentos libertos
Corpo distante de si
Alma presente
Dor ausente
Espírito adormece
Mente esquece
Não mente

Sim, minha amada
Vou sonhar-te agora

Seguir por Email