quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Perfume

Quando passas
Posso sentir a delicadeza
Do teu perfume.

Que sutileza!
Sem exagero.
Mas entro em desespero.

Gostaria mesmo poder
Sentir teu verdadeiro perfume
Que em imaginação se resume
Em um odor que em mim
Não desperta o instinto animal
Da vontade irracional.

Imagino teu cheiro
Verdadeiro
E simplesmente me inunda
A memória a sutileza.

Em ti vejo um modelo,
Uma mulher com belo cabelo
Com caminhar elegante
Que me deixa ofegante
Curioso e desejoso
Qual é o teu verdadeiro cheiro?

Seguir por Email