sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Talvez nem queira ser


Talvez fosse poeta
Se fingisse sentir dor
A dor que deveras sinto

Talvez seja poeta
Pois não sinto a dor
Que deveras minto

Talvez serei poeta
Quando parar de sentir
E de fingir que escrevo
O que minto
Que sinto
Muito
Escrevendo sobre o que penso
Que sei ou não
Que sinto ou omito

Talvez nunca serei poeta
Enquanto em mim restar ferida aberta
Talvez nem queira o ser
Basta-me sentir...

O que sou?
Só escrevinhador.
Seja de dor
De amor
De fingimento
O que for.

Deveras, pouco me importa!

Seguir por Email